Área restrita
Home
Site in English
A Associação
Associados ABRETI
Cursos, Palestras e Eventos
Sala de Imprensa
Notícias
Serviços
Contato
Este canal da ABRETI serve como um centro de informações coletivas. Novidades resultantes de ações políticas e econômicas que afetam a atividade dos transportes internacionais, cases do setor e informações gerais estão relacionados em ordem cronológica. Consulte este canal sempre que precisar.
ABRETI | Mercado

Título: Presidente da Infraero recua sobre 'apagão'
Fonte: G1 Portal de Notícias do Globo
< Voltar

Conteúdo: Brigadeiro repara declaração à CPI e diz que não haverá crise do transporte de carga

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, minimizou a declaração dada por ele mesmo à CPI do Apagão Aéreo da Câmara hoje, dia 12, de que há risco de "apagão" no transporte de cargas nos próximos anos.

Em entrevista aos jornalistas após o depoimento, Pereira admitiu essa possibilidade, mas afirmou que as medidas tomadas pelo governo vão impedir que isso aconteça. "Apagão de carga não vai haver", disse.

Segundo Pereira, o transporte aéreo de cargas no país está com 80% de sua utilização saturada. Com um crescimento de 6% ao ano, de acordo com ele, haveria um risco de um caos no setor em três anos.

O brigadeiro, porém, disse que medidas que estão sendo tomadas pelo governo aumentarão em 20% essa capacidade a partir de dezembro, o que dará mais seis anos de segurança. O presidente da Infraero afirmou ainda que três medidas a serem adotadas em 2008, referentes a Porto Alegre e Curitiba, evitarão um colapso até 2015.

O brigadeiro lamentou também os problemas enfrentados por aeroportos brasileiros por conta de nevoeiros nos últimos dias. "Chega a um ponto que não resolve", afirmou. "Mas o nevoeiro vai passar", disse.

Falta de aviões

Pereira afirmou que o sistema aéreo brasileiro sofre com a falta de aviões no país. Segundo ele, há um saldo negativo de, pelo menos, 80 boeings no Brasil, em decorrência das recentes crises na Vasp e na Varig. Além disso, afirmou, é preciso aumentar o número de terminais no país. "A necessidade maior é atender o fluxo de passageiros e de carga", ressaltou.

O presidente da Infraero ainda criticou a postura dos controladores de vôo de paralisar o sistema aéreo por conta de reivindicação salarial. "Não é colocando um povo em xeque, com chantagem ou sabotagem, que se consegue aumento salarial", disse. Ele ainda afirmou ser contra a desmilitarização do setor.

Segundo o brigadeiro, a empresa vem investigando todas as denúncias de irregularidades internas, além de cumprir as determinações do Tribunal de Contas da União (TCU). "Tudo o que o TCU determina, a Infraero cumpre", afirmou, referindo-se à paralisação de obras em aeroportos.
De acordo com Pereira, o principal problema nas auditorias feitas pelo TCU está nos preços das obras dos aeroportos do país. Para o presidente da Infraero, as exigências de preços baixos feitas pelo TCU são incompatíveis com o custo das obras. "Aeroporto não é casa popular, pista de pouso não é rodovia", disse.

O presidente da Infraero informou que a empresa negocia com a Caixa Econômica Federal uma tabela de preços "consensual" para evitar a paralisação de obras. Pereira disse ainda que a Infraero abre sindicância interna para qualquer denúncia de irregularidade interna.

ABRETI - Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional - 2005 - Todos os direitos reservados