Área restrita
Home
Site in English
A Associação
Associados ABRETI
Cursos, Palestras e Eventos
Sala de Imprensa
Notícias
Serviços
Contato
Este canal da ABRETI serve como um centro de informações coletivas. Novidades resultantes de ações políticas e econômicas que afetam a atividade dos transportes internacionais, cases do setor e informações gerais estão relacionados em ordem cronológica. Consulte este canal sempre que precisar.
ABRETI | Mercado

Título: Escoamento de cargas atrai mais investimentos em Santos
Fonte: DCI - 10/10/07
< Voltar

Eliminar entraves para o escoamento das cargas que ficam atravancadas nos portos foi um dos temas discutidos no evento "Santos Export 2007", que debateu nos últimos dois dias a expansão do Porto de Santos. Mesmo com sucessivos recordes em movimentação de cargas, a situação do Porto demanda atenção e investimentos, tanto que o governo de São Paulo anunciou, ontem, aporte de R$ 41 milhões na construção de um viaduto que deve eliminar um cruzamento problemático da região portuária.

A obra, que a Ecovias, concessionária responsável pelo sistema Anchieta-Imigrantes, deve finalizar em aproximadamente um ano, passará sobre a linha ferroviária que atravessa a rodovia Piaçaguera-Guarujá. A idéia é que seja eliminado um entroncamento que dificulta a passagem dos caminhões, ocasionando congestionamentos que vão em direção à área industrial de Cubatão ou à margem esquerda do Porto, na região do Guarujá. A obra começa em novembro.

Expansão

Para atender às demandas de reformulação do maior porto do País, o ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos, Pedro Britto, anunciou o início das obras de dragagem e aprofundamento do canal para o segundo semestre de 2008.

Brito revelou também a doação de um terreno da União, que pertencia à extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA) para a construção de um estacionamento na área interna das docas de Santos. "O Porto de Santos não foi escolhido por acaso para receber o maior volume de recursos do Governo Federal através do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC)."

Para ele, Santos é de fato uma prioridade no setor portuário do País, pois por recebe 26% de todo o movimento de importação e exportação do Brasil. "Estarmos investindo em Santos não é o resultado de um pleito, mas para atender a uma demanda de mercado", explicou.

Outra novidade em expansão da área portuária da Baixada Santista vem do secretário estadual de Transportes, Mauro Arce. O secretário admitiu que o principal problema das docas santistas não está dentro do complexo portuário, mas no acesso até ele, e que a prioridade é buscar projetos para a resolução desses problemas. Arce comentou que é preciso melhorar o sistema rodoviário, mas também é necessário aperfeiçoar a logística com outros modais. "Temos uma estrada de ferro onde os trens descem a serra com apenas 15% de sua ocupação preenchida", exemplifica.

O secretário também comentou que o governo estadual fechou um novo contrato para melhorar a travessia da balsa Santos-Guarujá.

A continuidade das obras do Rodoanel Mario Covas, no trecho sul, também está nos planos públicos, com o objetivo de desviar os caminhões da capital paulista e facilitar seu acesso ao porto.

Segurança

Em busca da melhoria da imagem dos portos brasileiros, as companhias de docas do País tentam se atualizar aplicando normas de códigos internacionais de segurança para instalações portuárias.
No caso do Certificado de Declaração de Cumprimento do ISPS Code - Código Internacional de Segurança das Instalações Portuárias, elaborado pela Organização Marítima Internacional e pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) - o código visa à segurança e à proteção de navios e instalações portuárias. Além disso, é exigida uma avaliação de risco para determinar as partes mais vulneráveis a ataques terroristas.

Conforme informações do presidente de Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), José Di Bella Filho, a implantação do código em Santos custou cerca de R$ 30 milhões. Ele confirma que a instalação dos sistemas termina ainda neste mês. "O projeto estará implantado no Porto de Santos no máximo em 31 de outubro", conclui. O sistema vai controlar o acesso de cargas, veículos e pessoas.

Com investimento bem mais modesto do que em Santos, a Companhia Docas do Rio de Janeiro investiu R$ 5,2 milhões para implantar o sistema integrado de segurança.

Assim, o Porto do Rio de Janeiro recebeu neste mês de outubro o Certificado de Declaração de Cumprimento do ISPS Code e, segundo a empresa, é o primeiro da Região Sudeste a receber este certificado.

Ao longo do período de adequação às normas da certificação, foram instaladas 75 câmeras nos 7 quilômetros do porto, que passaram a ser monitoradas na sede da Guarda Portuária.

A construção de um viaduto, previsto para ficar pronto ano que vem, reduzirá o tráfego de um cruzamento problemático da região do Porto de Santos. A medida visa a eliminar entraves para o escoamento de cargas.

ABRETI - Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional - 2005 - Todos os direitos reservados