Área restrita
Home
Site in English
A Associação
Associados ABRETI
Cursos, Palestras e Eventos
Sala de Imprensa
Notícias
Serviços
Contato
Este canal da ABRETI serve como um centro de informações coletivas. Novidades resultantes de ações políticas e econômicas que afetam a atividade dos transportes internacionais, cases do setor e informações gerais estão relacionados em ordem cronológica. Consulte este canal sempre que precisar.
ABRETI | Mercado

Corte em infra-estrutura ameaça portos (SITE - NET MARINHA)
Veículo: Site: Net Marinha - Seção: Marítimo - 07/04/2005
< Voltar

Um corte de R$ 2,2 bilhões no orçamento deste ano do Ministério dos Transportes poderá reduzir em até um terço os investimentos previstos para o setor portuário do país em 2005. No total, os investimentos públicos previstos e prometidos para este ano na área portuária pública somavam R$ 600 milhões.

Agora, com o anúncio de cortes gerais no ministério, só R$ 417 milhões estão garantidos por fazerem parte do projeto-piloto em infra-estrutura entre o Brasil e o Fundo Monetário Internacional. Os cortes devem atingir em cheio uma nova onda de investimentos privados nos portos. Dez anos após o início da concessão de terminais portuários ao setor privado, os grandes exportadores do país estão finalizando uma nova rodada de renovações.

Os investimentos privados, porém, não têm sido acompanhados pela melhora da infra-estrutura pública, principalmente das vias de acesso e internas dos portos. ""Infelizmente, o ritmo público está longe do que vem sendo realizado nos terminais privados, o que tende a ampliar os gargalos para quem investe", afirma Davi Emery Cade, diretor da CSN para o porto de Sepetiba, no Rio.

No final do ano passado, o governo federal prometeu ampliar os investimentos em 11 portos.

Segundo Edison de Oliveira Vianna, diretor do Departamento de Transportes Aquaviários do Ministério dos Transportes, os R$ 417 milhões já garantidos vão atingir apenas sete portos. Desse total, só uma parcela de R$ 100 milhões estava sendo preparada esta semana para liberação aos portos de Santos, Rio, Sepetiba, Vitória, Itajaí, São Francisco do Sul e Rio Grande. No caso da iniciativa privada, os investimentos atuais são os maiores desde que a lei 8.630, de 1993, autorizou as concessões.

""As empresas investem porque não têm outra saída. Mas continuam emperradas em avenidas congestionadas nos portos e limitadas pela baixa profundidade de canais que não são dragados há anos", diz Wilen Manteli, presidente da ABTP (Associação Brasileira de Terminais Portuários).

No porto de Santos, o maior do país, com capacidade de 100 milhões de toneladas/ano, as empresas privadas estão investindo cerca de R$ 500 milhões entre o final de 2004 e este ano, segundo Fabrizio Pierdomênico, diretor comercial do porto. ""Desde a primeira leva, em 1993, nunca houve tanto investimento privado aqui", diz.

Fonte: Folha de São Paulo – SP
ABRETI - Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional - 2005 - Todos os direitos reservados