Área restrita
Home
Site in English
A Associação
Associados ABRETI
Cursos, Palestras e Eventos
Sala de Imprensa
Notícias
Serviços
Contato
Este canal da ABRETI serve como um centro de informações coletivas. Novidades resultantes de ações políticas e econômicas que afetam a atividade dos transportes internacionais, cases do setor e informações gerais estão relacionados em ordem cronológica. Consulte este canal sempre que precisar.
ABRETI | Mercado

Título: Cresce financiamento do BNDES para exportações
Fonte: Jornal  DCI
Seção: Economia
< Voltar

Conteúdo: Houve um crescimento de 28% em dólares, nos financiamentos do banco

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), Demian Fiocca, afirmou na sexta-feira que, neste ano, houve um crescimento de 28%, em dólares, nos financiamentos do banco às exportações, comparando ao mesmo período do ano passado. Em reais esse crescimento foi de 12%. Fiocca ressaltou que no ano passado os financiamentos do BNDES às exportações atingiram o valor recorde de U$ 5,6 bilhões. Para Fiocca, estes números evidenciam um crescimento da pauta de exportações brasileiras — que não estão concentradas em poucos produtos, ao contrário do que dizem alguns analistas. “Esses números mostram que há falta de sintonia sobre o que acontece em comércio exterior”, afirmou. Ele citou o minério de ferro, a soja e o café, produtos sempre lembrados no comércio exterior nacional, mas que representam, respectivamente, apenas 6%, 4% e 2% do total das exportações brasileiras.

Os desembolsos totais do BNDES para todos os setores, e não apenas para exportações, que, no primeiro trimestre, haviam caído 20%, cresceram 9% no segundo trimestre, e 17% no trimestre de julho a setembro, em comparação com os mesmos períodos do ano passado. Para o quarto trimestre, as expectativas são de crescimento em relação ao quarto trimestre de 2005. Para Fiocca, as explicações para esse crescimento seriam uma certa sazonalidade, pois “os desembolsos do BNDES normalmente se aceleram mais para o final do ano”, somadas ao fato de que “no conjunto, o setor privado brasileiro continua acreditando no futuro e investindo.”

Os setores que mais demandaram os recursos do banco foram indústria, infra-estrutura e insumos básicos. Outra razão para os números positivos seriam desembolsos relativos a grandes projetos do setor privado brasileiro, que envolvem mais de US$ 1 bilhão de investimento, dos quais o BNDES participa com 50% ou 60% do valor. Fiocca acrescentou que o BNDES também apóia as exportações das micro, pequenas e médias empresas, mas não soube citar os setores destas empresas, pois esses financiamentos “são feitos por meio dos bancos de varejo, que têm agências específicas para isso.”

Comentando o cenário internacional, Fiocca disse que “teremos boas notícias sobre a taxa de câmbio da China”, que estaria, segundo o economista, “artificialmente valorizada”. Para Fiocca, o apesar da China ter fluxos de dólares muito fortes, o que, por uma regra de mercado, levariam a sua moeda a se valorizar, “ela segura sua moeda fortemente desvalorizada, comprando muitas reservas”, analisou.

ABRETI - Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional - 2005 - Todos os direitos reservados